As histórias inspiradoras de Carolina Maria de Jesus, Ruth de Souza, Theodosina Ribeiro, Dandara, Luíza Barrios, Elisa Lucinda, Sueli Carneiro, Lélia Gonzalez, Nelson Mandela, Zumbi dos Palmares, Milton Santos e Machado de Assis estão estampadas e narradas no calendário 2020, produzido especialmente pela indústria farmacêutica MSD, para presentear seus colaboradores.

“Há poesia, educação, política e ciência na contribuição afro-brasileira em nosso país”, diz Suellen Rodrigues, idealizadora da ação, líder da iniciativa de Equidade Racial na MSD. “Tenho reforçado para meus liderados a importância de nos reconhecer e saber de lutas e superações históricas e contemporâneas”.

Suelen Rodrigues apresenta o Calendário AfroBrasileiro 2020 – Foto: Divulgação

De acordo com Suellen, a ideia de produzir o calendário surgiu ao planejarem as ações para a semana da Consciência Negra. “E dentre as várias possibilidades e ideias brilhantes de nossos colaboradores afrodescendentes e não afros, alinhados com a causa da equidade, surgiu a proposta de termos algo duradouro e que fosse distribuído a 100% de nossos funcionários”, explica.

Ela então se lembrou de uma campanha feita pelo Comitê de Igualdade Racial, do Grupo Mulheres do Brasil, do qual é integrante, em homenagem às mulheres negras latinas e caribenhas, ocorrida em junho (confira neste link). “A cada dia era homenageada uma mulher mais inspiradora do que a outra e com histórias cheias de sabedoria luta e empoderamento”, relembra Suellen.

Após contato com o Comitê de Igualdade Racial, e pedido de autorização para utilizar alguns nomes já veiculados na campanha anterior, finalmente o calendário 2020 da MSD começou a virar realidade. “Escolhemos oito mulheres (foi difícil!!) e escrevemos internamente o texto dos quatro homens. Priorizamos as afro-brasileiras, mas incluímos Mandela. Tão simbólico para a causa mundialmente”, explica Suellen.

“A ideia do calendário partiu de nossa campanha, o que nos enche de orgulho. Tivemos uma equipe muito dedicada que cuidou desse projeto, pesquisou os nomes, as fotos, a bibliografia, revisou. Enfim, toda a concepção artística. Importante citar esses nomes, Daniella Yumi, Silvia Ferreira, Robi Tasseli e muitas outras”, comemora Elizabete Scheibmayr, uma das líderes do Comitê de Igualdade Racial.

Elizabete Scheibmayr, ao centro, recebe um exemplar da publicação, das mãos de Ângela Lopes e Suelen Rodrigues Foto: Divulgação

A empresa confeccionou os calendários e distribuiu para seus colaboradores. “Esta ação já atingiu os 700 profissionais do escritório em São Paulo, já chegou às nossas fábricas em Montes Claros, Cruzeiro e Campinas. Até a metade de janeiro chegará a todos 2.000 colaboradores do Brasil”, conta Suellen.

Uma ação simples e que “abre portas para desbravarmos os vieses inconscientes e combater preconceitos” e que serve de exemplo para que mais organizações pensem em ações afirmativas. “Amarramos as ações de 2019 a uma agenda de conhecimento, consolidação e valor estratégico para que, em 2020, tenhamos ainda mais fatos concretos de aumento de representatividade em nossa empresa”, conclui a líder de Equidade Racial Suellen Rodrigues.