O Grupo Mulheres do Brasil abriu sua sede em São Paulo na última quinta-feira, dia 30 de maio, na reunião Portas Abertas, para receber mais de 500 mulheres de várias regiões do país interessadas em conhecer esse movimento político suprapartidário, que já reúne mais de 28 mil participantes no Brasil e no exterior que sonham e trabalham por um mundo melhor.

A reunião ocorreu em três turnos, nos períodos da manhã, tarde e noite e foi conduzida pela presidente do Grupo, Luiza Helena Trajano, pela vice-presidente Sonia Hess, e pelas líderes dos Comitês. Em uma de suas falas, durante a abertura, Luiza deu as boas-vindas às participantes e relembrou que o grupo foi criado a partir de uma inquietação. “Entendemos há cinco anos atrás que a gente precisava ter uma força política apartidária para transformar o Brasil, nós não temos nenhum partido político, existimos para sermos protagonistas das mudanças que almejamos”.

Ao apresentar os propósitos e valores do movimento, Luiza Trajano ressaltou que o Grupo Mulheres do Brasil vem transformando vidas e realidades a partir do envolvimento da sociedade civil, governos, empresas e organizações em ações que estimulam a participação e o protagonismo feminino em áreas estratégicas, por meio da atuação de seus comitês temáticos, como Combate à Violência contra a Mulher, Igualdade Racial, Saúde, Educação, Sustentabilidade, Políticas Públicas, Cultura, Inserção de Refugiados, Inclusão da Pessoa com Deficiência, entre outros.

Foto: Divulgação

Luiza citou alguns exemplos práticos de ações que o grupo vem desenvolvendo. “Trabalhamos com conscientização para diminuir a violência contra a mulher, criamos políticas públicas quando, por exemplo, a gente faz uma delegacia da mulher abrir sábado e domingo, quando apoiamos um projeto Maria da Penha que faz os postos de saúde acolherem as mulheres que são violentadas. Usamos a nossa força de 28 mil mulheres para fazer projetos que dão certo, que sejam bons para o Brasil”, disse a líder.

Cristina Potomati, uma das conselheiras e líderes do Grupo que também deu boas-vindas às participantes, destacou que o movimento tem o propósito de fazer ações para melhorar o país. “Estamos fazendo história e convidamos as novas integrantes a também virem fazer história, porque o Grupo tem mexido em muitas áreas que são universais como o combate à violência contra a mulher”.

Foto: Divulgação

A líder fez um alerta sobre os dados alarmantes da violência contra a mulher: “um estupro a cada 11 minutos, isso porque, segundo estatísticas, só 10% das vítimas vão à delegacia, então significa que temos um por minuto. Nós somos o quinto país que mais mata e mais agride mulher. E é para essa luta do Grupo Mulheres do Brasil que gostaríamos que vocês viessem, temos que nos unir para que isso seja combatido, para que se criem leis e ações que melhorem a segurança da mulher. E tem coisas maravilhosas que acontecem em outras áreas, como Cultura, Saúde, Empreendedorismo, há comitês para que todas possam se engajar e trazer sua contribuição”, ressaltou Cristina.

Atualmente, o Grupo Mulheres do Brasil está presente em 49 diferentes localidades, por meio de seus Núcleos Regionais, marcando presença em 18 estados brasileiros, e 12 países, além do Brasil.