Troca de experiências, escuta ativa, relatos de ações por todo o Brasil. A força das mulheres que se reuniram no dia 15 de agosto, em São Paulo, no evento Plugar Educação, do Grupo Mulheres do Brasil, estava direcionada para uma causa, a Educação básica pública de qualidade. Trabalhos em parceria com iniciativas locais, projetos de incentivo de leitura em bibliotecas e ajuda na formação de jovens para o mercado de trabalho foram alguns dos muitos relatos apresentados pelos 12 Núcleos de diferentes regiões do país durante a primeira parte do evento.

“Quisemos fazer um evento empático. Está na hora de primeiro deixar os profissionais da educação falarem o que entendem de educação e o que estão fazendo para depois a gente construir algo colaborativo”, explicou Rosemary Hohlenwerger Schettini, líder do Comitê de Educação e vice-presidente do conselho estatutário do Grupo Mulheres do Brasil.

Rosemary Schettini, líder do Comitê de Educação – Foto: Angela Rezé

O Programa Plugar foi idealizado pelo Comitê Expansão para unir ações e metas globais de três importantes causas defendidas pelo movimento, que também conta com seus respectivos comitês representativos: Combate à Violência Contra a Mulher, Educação e Igualdade Racial. Esta foi a segunda edição do programa, a primeira ocorreu em junho, com o tema Combate à Violência contra a Mulher (veja neste link a cobertura do evento). O próximo Plugar será dia 24 de outubro, com o tema Igualdade Racial.

O objetivo da ação é inspirar as participantes a definir três ações a serem aplicadas e implementadas, no período de um ano, em todos os núcleos do Grupo. “Apuramos que 67% dos nossos Núcleos Regionais já estão com ações em desenvolvimento ou em planejamento na área de Educação para o segundo semestre. O Plugar visa aumentar essa consciência na prática. Queremos chegar a 100%”, diz Lílian Leandro diretora de expansão e líder do Comitê Expansão.

Lílian Leandro, líder do Comitê Expansão – Foto: Angela Rezé

Estatísticas do setor

Rosemary Schettini apresentou dados que ilustram o imenso desafio que há pela frente. Com um panorama da história da educação pública no Brasil, a psicóloga e doutora em Linguística mostrou que os avanços na legislação vieram a passos lentos. A descontinuidade das políticas públicas é outro problema grave, com frequentes mudanças de ministros, cada um com sua agenda.

Em sua fala ela exemplificou com uma linha do tempo sobre os principais marcos legais da Educação no Brasil:

Ainda de acordo com Rosemary, antes de emitir qualquer opinião sobre o posicionamento da educação pública no Brasil é necessário conhecer um pouco da história da educação e seus principais fatos. “Temos essa história e ela não pode ser esquecida por nós”, diz.

1834 – Ensino primário não é obrigação do Estado Nacional;

1835 – Primeira Escola Normal –  Niterói – RJ;

1854 – Decreto 1331-A, Art. 69. Não serão admitidos à matricula, nem poderão frequentar as escolas:

1º Os meninos que padecerem de moléstias contagiosas.

2º Os que não tiverem sido vacinados.

3º Os escravos.

1890 – Somente 14% da população brasileira era alfabetizada;

1891 – Cabia aos Estados legislar sobre a Educação Primária e Secundária;

1930 – Educação passa a ser tratada como questão nacional; Entrada do Brasil no mundo capitalista de produção; Mudanças sociais  –  mão-de-obra especializada e para tal era preciso investir na educação;

1931 – Foi criado o Ministério da Educação;

1934 – A Constituição   traz a responsabilidade à União de traçar as Diretrizes da Educação Nacional e fixar o Plano Nacional de Educação;

1937 – Com o Estado Novo é outorgada uma nova Constituição; essa Constituição desobriga o Estado da manutenção e expansão do ensino público;

  • A nova Constituição enfatiza o ensino pré-vocacional e profissional – servir ao mercado;
  • Marca uma distinção entre o trabalho intelectual, para as classes mais favorecidas, e o trabalho manual, enfatizando o ensino profissional para as classes mais desfavorecidas.

1948 – Foi encaminhado à Câmara Federal o anteprojeto da LDB;

1961 – Aprovação da LDB. Tivemos 3 LDBs: 4024/61; 5692/71 e 9394/96;

1971 – Primeiro grau passou a ser obrigatório;

1988 – A educação infantil passou a ser considerada educação;

1996 – Até então, a formação de professores para o primário foi em nível médio;

1996 – A ideia de sistema escolar no Brasil começou a ser mais bem desenhada;

2016 – A educação infantil é obrigatória desde os 4 anos.

Desafios e reflexões

A líder do Comitê de Educação explica que os desafios do setor são muitos, entre eles, índices de desempenho muito baixos, evasão escolar, infraestrutura precária, desconexão do currículo com a necessidade atual da sociedade. “Muitas organizações da sociedade civil estão hoje trabalhando na causa da educação. O Grupo Mulheres do Brasil tem como uma das metas globais a melhoria da educação básica pública”, ressalta Schettini.

Segundo a líder, há uma grande diferença de desempenho dos alunos que estudam na escola pública e dos que estudam na particular, o que impossibilita a entrada em uma faculdade também gratuita, o que é uma incoerência. “Eu costumo dizer que a educação básica pública é negra e o Ensino Superior é branco, pois os alunos que estudam na escola pública, em sua maioria, são negros e os que estudam no Ensino Superior, em sua maioria, são brancos. Temos um problema aí e a sociedade precisa olhar para ele”, pontua Rosemary.

Integrantes do Comitê de Educação – Foto: Angela Rezé

Segundo dados do Inep, a cada ano, mais de um quarto dos jovens de 15 a 17 anos irão abandonar a escola antes do final do ano (7%) ou serão reprovados por falta (4%) ou não irão sequer se matricular na escola no início do ano letivo (15%); ou apenas pouco mais da metade irá concluir o ensino médio.

Ainda de acordo com informações apresentadas por Rosemary Schettini durante o Plugar Educação, existem muitos impedimentos que determinam a evasão e podemos citar alguns: engajamento e diversidade – não há engajamento, a escola é diversa, mas não está preparada para a diversidade, o país mudou, as demandas são enormes e foi impossibilitado à escola acompanhar as mudanças e  a sociedade fechou os olhos para isso. Gravidez na adolescência – muitas meninas abandonam a escola por passarem por situações de pressão e incompreensão. Mercado de trabalho e a percepção da importância dos conteúdos e disciplinas com a necessidade e realidade atuais. Extrema pobreza também pode impedir com que o jovem tenha as condições necessárias para um bom aproveitamento e engajamento escolar além dos problemas de escassez de vagas em escola na comunidade, unidos à falta de recursos para transporte.

Provocação

Dos 5,4 milhões de alunos que saem do ensino fundamental, apenas 1,6 milhões são matriculados no ensino médio (Fonte/INEP). “A molecada termina o ensino fundamental e não volta, isso é outro problema para a sociedade.  Esses dados aparecem, mas ninguém faz nada. Por isso eu estou aqui provocando um grupo de mulheres a unir todas as ações para melhorar esses números”, convoca a líder do Comitê de Educação.

“Não temos receita, mas resolvemos fazer um grande debate social sobre o tema. É governo e sociedade juntos, dialogando. Vamos entender cada município com sua realidade, por meio de cada Núcleo do Grupo Mulheres do Brasil. Vamos fazer um pacto pela valorização da educação e de seus profissionais. Vamos atuar em politicas públicas e vamos também colaborar com o espaço escolar e seus  profissionais, mas sem   entrar na escola com  receitas prontas ou ideias estabelecidas por nós”, enfatiza Rosemary Schettini.

Posicionamento

O Plugar Educação encerrou com a definição de três metas globais que serão aplicadas em todos os 47 Núcleos Regionais:

  1. Campanha de mobilização e valorização da educação básica pública e profissionais
  2. Acompanhar, fiscalizar e contribuir com as políticas públicas: apoio e aprovação das PLP´s 413/14 e 448/17; regulamentação da profissão docente, apoio e aprovação da PL 6847/17
  3. Elaborar uma metodologia de parceria com as escolas

“Toda essa reflexão está nos mostrando como a gente pode colaborar com a Educação Básica, e como é bom quando a sociedade vai assumindo seus papéis, isso é já um movimento de transformação. O Programa Plugar nos mostra isso, conclui Luiza Helena Trajano.

Luiza Helena Trajano, presidente do Grupo Mulheres do Brasil – Foto: Angela Rezé

*Colaboração – Taiga Gomes

Educação para toda Nação

Na segunda parte do Programa Plugar, houve o Talk Show ‘Educação para toda Nação’, com profissionais e especialistas no assunto, mediados por Luiza Helena Trajano e Rosemary Hohlenwerger Schettini. Confira a seguir a cobertura completa:

Má distribuição de dinheiro e descontinuidade impedem avanços da educação pública

Perspectivas de gestão

Escola infantil não é só espaço de cuidar