Voltado para construção da autoestima de jovens da periferia, projeto criado pela jovem empreendedora Mayara Moura ganha parceria do escritor e roteirista Leandro Franz

Quando Mayara Moura foi eleita miss Guarulhos, em 2013, aos 21 anos, não suspeitava que pagaria com lágrimas o preço de ter sido a primeira negra a conquistar tal título na cidade. “Passei por várias situações de racismo e preconceito. Por exemplo, eu ia em algum evento como miss e faziam perguntas do tipo: ‘o que você está fazendo aqui? Por que não vai ser musa de escola de samba ou coisa que o valha?’. Como se jovem pobre e negra não tivesse o direito de estar ali e só tivesse essas opções na vida”, lembra. Foi então que a jovem decidiu criar o projeto “Beleza na Periferia”, que consiste em percorrer escolas da Grande São Paulo proferindo palestras que ajudem a construir e fortalecer a autoestima de crianças e jovens como ela foi. “Decidi transformar minha experiência em algo inspirador”, diz ela.

Hoje com 27 anos, Mayara desdobra-se entre seus trabalhos como jovem empreendedora e palestrante, e ainda arranja tempo para atuar como participante do Grupo Mulheres do Brasil – integra o Comitê de Igualdade Racial e é uma das líderes do Comitê Meninas do Brasil. O grupo, aliás, vem ampliando o alcance do “Beleza na Periferia” e conquistou, recentemente, uma importante parceria. O escritor e roteirista Leandro Franz, autor do livro infanto-juvenil “A Pequena Princesa”, ficou tão tocado pela iniciativa que doou ao projeto 50 exemplares para venda durante a feira VemDelas, que reuniu produtos de jovens empreendedoras da periferia na sede do Grupo Mulheres do Brasil, no último dia 14 de dezembro. Com o dinheiro da venda de 45 exemplares a R$ 39,90 cada, Mayara pretende cobrir custos – com os quais vinha arcando sozinha – de transporte e alimentação para dar suas palestras.

Meninas do Brasil prestigiando o lançamento do “Pequena Princesa”, na Feira VemDelas – Foto: Divulgação

O livro de Leandro Franz tem tudo a ver com o projeto “Beleza na Periferia”, pois trata-se de uma adaptação do clássico da literatura infantil “O Pequeno Príncipe”, do autor francês Antoine Saint Exupery, só que com a personagem principal negra e do sexo feminino. Abordando temas como machismo e a estereotipação dos padrões de beleza, a obra tem o mesmo objetivo de Mayara, de fornecer ferramentas de construção da autoestima a jovens da periferia.

A parceria com Leandro ainda vai gerar mais frutos. De acordo com Mayara, está nos planos de ambos criar uma versão infantil – destinada a crianças de 0 a 9 anos – de “A Pequena Princesa”. “Vai ser uma proposta maior e com mais personagens. Leandro me aceitará como co-autora para angariar parte dos direitos autorais para meu projeto”, comemora.

A jovem foi colocada em contato com o autor por Cammila Yochabel, fundadora da startup Jobcam, que promove seleções às cegas para empresas, eliminando os vieses inconscientes responsáveis por nossos preconceitos arraigados. Por sua vez, Cammila conheceu Mayara por meio de outra empreendedora, Dani Junco, fundadora da startup B2mamy, voltada para mulheres empreendedoras. “São pessoas que estão me ajudando demais. A gente não faz nada sozinho. Tem sempre outras que nos conectam”, conclui Mayara, cheia de gratidão.

Por Sílvia Pereira