O Grupo Mulheres do Brasil vem a público manifestar a sua indignação por mais uma vida ceifada, vítima de um racismo cruel que mata diariamente milhares de jovens, crianças, homens e mulheres negras. Desta vez a vítima foi João Pedro, de 14 anos, um adolescente que tinha um sonho como tantos outros brasileiros de sua idade: ser advogado.

Ao brincar em casa com dois amigos, ele foi alvejado no dia 18 de maio, em uma operação da Polícia Federal e da Polícia Civil que deixou um rastro de 70 balas cravejadas nas paredes do imóvel na cidade de São Gonçalo, Rio de Janeiro. Na sua moradia, seu abrigo, seu refúgio. Por uma polícia que deveria proteger, não matar.

As estatísticas não deixam dúvidas sobre o racismo: 75% das vítimas de homicídio no País são negras.

Num Brasil em que 56% da população se autodeclara preta ou parda, este é um problema de todos nós.

João Pedro tem pai, mãe, uma família que agora está destroçada e que nunca mais será a mesma. Ele não pode se tornar um número.

Não seremos indiferentes a essa tragédia e exigimos que o governo do estado do Rio revise sua política de segurança pública com base em estudos e estratégia.

O alvo da violência  no Brasil tem cor. E a cor é preta!

#GrupoMulheresdoBrasil

#VidasNegrasImportam

#ComitêIgualdadeRacial

#ComitêPoliticasPúblicas