O Grupo Mulheres do Brasil acaba de ingressar na Rede Brasil do Pacto Global, iniciativa da Nações Unidas (ONU) para mobilizar a comunidade empresarial na adoção e promoção, em suas práticas de negócios, de Dez Princípios universalmente aceitos nas áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e combate à corrupção. Com a criação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o Pacto Global também assumiu a missão de engajar o setor privado nesta nova agenda.

Entre as ações desenvolvidas pelo Grupo que o colocam em consonância aos ODS destacam-se:

  • O projeto Aceleradora de Carreiras, cujo objetivo é capacitar e empoderar mulheres negras que estão na busca de cargos de liderança dentro de empresas privadas e públicas – na promoção da Igualdade de Gênero, conforme a ODS5
  • Água limpa e saneamento – o Grupo se posicionou e fez articulações junto ao Senado e à Câmara Federal, em prol da aprovação do Marco Regulatório do Saneamento – ODS6
  • Apoia o aumento de Mulheres em Conselhos de administração de Empresas abertas, públicas e privadas e no aumento de lideranças executivas – ODS5
  •  Apoia e articula pela aprovação do Fundeb permanente, em busca de uma educação básica de qualidade e igualitária – ODS4
  •  Apoia o SUS, estuda e se aprofunda no tema, para contribuir com soluções para a melhoria da gestão, pela modernização e automatização do sistema – ODS3

“Somos um movimento suprapartidário que atua em áreas prioritárias para o Brasil, por meio de comitês temáticos como cultura, educação, igualdade racial, políticas públicas, saúde, sustentabilidade e combate à violência contra a mulher, entre outros que trabalham ativamente na raiz das causas a que se propõem, de forma a diminuir a desigualdade social no país”, explica Marisa Cesar, CEO do Grupo Mulheres do Brasil.

Liderado pela empresária Luiza Helena Trajano, é composto atualmente por mais de 45 mil voluntárias que se espalham pelo Brasil e pelo exterior.

“Nosso propósito é transformar o Brasil e o mundo em um local mais justo e igualitário. E essa transformação só é possível com o envolvimento de toda a sociedade. É isso que fazemos, conscientizamos e engajamos pessoas e empresas para as mudanças que são necessárias”, enfatiza a presidente do Grupo Mulheres do Brasil, Luiza Helena Trajano, ao reconhecer a importância de ingressar na Rede Brasil do Pacto Global.

Criado em 2000, o Pacto Global foi idealizado pelo ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan e dá aos membros acesso a ferramentas que contribuirão para ampliar o envolvimento da empresa/organização com os temas de sustentabilidade e com as discussões na área. Também possibilita a participação em programas locais e internacionais, dentre os quais os grupos temáticos que conduzem projetos nas áreas de Água, Alimentos e Agricultura, Anticorrupção, Direitos Humanos e Trabalho, Energia e Clima e ODS. Com mais de 13 mil participantes em quase 170 países, a iniciativa conta com mais de 800 membros no Brasil, país que possui a terceira maior rede no mundo.

A iniciativa estimula a evolução constante das práticas internas de sustentabilidade. “Ao integrar o Pacto Global nos comprometemos a reportar anualmente o nosso progresso em relação aos 10 Princípios Universais. E já podemos inclusive anunciar que, neste momento, estamos trabalhando com temáticas relacionadas à proteção da Amazônia”, diz Marisa Cesar, informando que a primeira ação será o projeto “Amazônia que inspira”, uma série de entrevistas que contará a história da região, pelo olhar do protagonismo feminino.

As empresas que quiserem fazer parte podem encontrar mais informações em www.pactoglobal.org.br .